rede-rs-cidade-2024-brasil-inovador-rio-grande-sul-aldo-rosa-ceo-reconstrucao-doacoes-resgate-acolhimento-abrigo-municipio-enchente-randoncorp-daniel-instituto-elisabetha-randon
industria-inovadora-2024-rede-brasil-inovacao-esg-ia-innovation-startup-aldo-rosa-ceo-palestrante-cni-sesi-senai-iel-feira-fiesp-sp
rede-brasil-inovador-2024-inovacao-innovation-trends-aldo-rosa-ceo-palestrante-ecossistema-startup-ia-esg-hub-cni-cna-cnc-universo-totvs-sp-2
rede-brasil-inovador-2024-inovacao-innovation-trends-aldo-rosa-ceo-palestrante-ecossistema-startup-ia-esg-hub-cni-cna-cnc-startse-ai-day
rede-brasil-inovador-2024-inovacao-innovation-trends-aldo-rosa-ceo-palestrante-ecossistema-startup-ia-esg-hub-cni-cna-cnc-sebrae-campinas-innovation-week-1
industria-inovadora-2024-rede-brasil-inovacao-esg-ia-innovation-startup-aldo-rosa-ceo-palestrante-cni-sesi-senai-iel-sesi-fispal-tecnologia-feira-sao-paulo

A balança comercial: as exportações de commodities da indústria de transformação

A balança comercial: as exportações de commodities da indústria de transformação

A balança comercial: as exportações de commodities da indústria de transformação

Descrevemos os resultados da balança comercial e ressaltamos a importância das commodities nas exportações da indústria de transformação.

O saldo da balança comercial em abril foi de US$ 9,0 bilhões, um bilhão a mais do que em abril de 2023. As exportações aumentaram, em valor, 14,1% e as importações, 14,3%. No acumulado do ano até abril, o valor exportado cresceu 5,7% e o importado, 2,2%, em relação a igual período de 2023. O saldo acumulado no ano até abril foi de US$ 27,7 bilhões, US$ 4,1 bilhões superior ao do primeiro quadrimestre de 2023.

O aumento em valor das exportações e importações, seja na comparação mensal ou na do acumulado do ano, é explicado pelo aumento do volume, pois os preços caem para as exportações e as importações nas duas bases de comparação (Gráfico 1). Chama atenção o aumento do volume exportado, 22,6%, e o importado, entre os meses de abril.

Repetindo o comportamento observado no ano anterior, o volume exportado das commodities supera o das não commodities. No acumulado do ano até abril, em relação a igual período em 2023, o volume exportado das commodities cresceu 18,7% e o das não commodities recuou 5,2%. No mês de abril, no entanto, tanto as commodities (31,4%) quanto as não commodities (4,2%) registraram variação positiva. A variação dos preços foi negativa para os dois agregados, na base mensal ou na do acumulado do ano (Gráfico 2).

O crescimento do volume exportado no mês de abril foi liderado pela indústria extrativa (61,1%), seguida da transformação (20,5%) e por último, a agropecuária (7,7%) (Gráfico 3). Na extrativa, a exportação de petróleo bruto, 14,9% do total exportado pelo país, aumentou em valor 92,4% e 103,8%, em Kg, segundo a Secretaria de Comércio Exterior. Na indústria de transformação, o principal produto exportado foi o óleo combustível de petróleo, com participação de 4,6% na pauta total das exportações, aumento de valor em 129,9% e, em Kg, 124,4%. O segundo principal produto exportado foi farelo de soja, com variação de 45,8% em Kg seguido de açucares, 94,4%, carne bovina, 89,0% e celulose, 10,4%. Juntos, esses 5 produtos explicam 34,7% das exportações da indústria de transformação e 0,02% das exportações brasileiras. O setor agropecuário registrou aumento de 7,7%, liderado pela soja, participação de 20,6% nas exportações totais e aumento em Kg de 2,5%.

O crescimento das exportações da indústria de transformação foi puxado, como descrito, por mercadorias que são commodities. O ICOMEX separa as commodities e não commodities da indústria de transformação. Em abril, as commodities representavam 48,7% das exportações dessa indústria e registraram aumento de 41,9%. Na comparação interanual do acumulado do ano até abril entre 2023 e 2024, a liderança em volume permanece com a indústria extrativa (24,2%), seguida da agropecuária (9,6%) e da transformação (6,0%). O principal produto exportado, com participação de 14,8% nas exportações totais, foi a soja em grão, com aumento de volume (em Kg) de 10% e queda nos preços de 20,5%. O segundo principal foi o óleo bruto de petróleo, com participação de 14,5%, variação no volume de 33,4% e queda nos preços de 3,0%. O terceiro foi o minério de ferro com participação de 9,6%, crescimento no volume de 13,6% e nos preços de 9,8%.

As importações por setor de atividade mostram a liderança do setor agropecuário em termos de volume, na comparação entre os meses de abril de 2023 e 2024 (Gráfico 4). Foi registrado aumento de 73,1% nesse setor, seguido da transformação, 22,7% e da extrativa, 3,0%. Ressalta-se, porém, que as importações da agropecuária representam 2,5% das importações totais do país, seguida da extrativa (7,2%) e da transformação, 89,9%. Diferente das exportações da indústria de transformação, em que as commodities explicam 48,7% das vendas do setor, como já mencionado, aqui o percentual das commodities no total das importações da transformação foi de 5,9%. Todas as informações das participações se referem ao mês de abril de 2024.

Na comparação dos acumulados do ano até abril entre 2023 e 2024, a agropecuária lidera (28,2%) em termos de volume, seguida pela transformação (12,3%) e a extrativa, que recua (0,8%). Em termos de participação na pauta de importações, porém, os percentuais dos principais produtos do setor da agropecuária são inferiores a 1%: trigo (0,6%); pescado (0,4%); e frutas e oleaginosas (0,4%). Em abril, as importações de bens de capital na FBCF foram de 30,2% e dos bens de capital na agropecuária de 51,4%, o que indicava um setor de agropecuária com expectativas favoráveis. Observa-se, porém, que no acumulado do ano as importações de bens de capital recuaram em 20,5% nesse setor (Gráfico 5). É preciso, portanto, acompanhar o setor para se afirmar que as expectativas são de aumento na taxa de investimento.

No caso, das compras de bens intermediários, a indústria tem uma sinalização positiva, com aumento de 24,0%, mas as compras do setor de agropecuária recuaram 3,9%. O mesmo comportamento se repete na comparação do acumulado do ano. A novidade do mês de abril, em termos de mercado de destino (Gráfico 6), foi o aumento no volume exportado para a União Europeia (46,2%) que superou o dos Estados Unidos e o da China. Segundo a Secretaria de Comércio Exterior, o aumento para a Europa foi puxado pelas exportações de petróleo, café não torrado e farelo de soja. Observa-se que, em termos de volume, as variações nas exportações para a China têm sido inferiores às dos Estados Unidos.

Os volumes importados aumentaram para a China, Argentina, Demais América do Sul e Demais Ásia, acima de 30% na comparação do mês de abril (Gráfico 7). No entanto, na comparação do acumulado do ano, só a China supera 30%. A comparação de um único mês não permite afirmar uma tendência de aumentos expressivos nas exportações para a União Europeia ou das importações para os países mencionados. Em termos de contribuição para o superávit da balança comercial, a China continua na liderança com saldo de US$ 13,9 bilhões, “demais países da Ásia”, US$ 3,4 bilhões, “demais países da América do Sul”, US$ 2,0 bilhões e Estados Unidos, US$ 412 milhões. Com a União Europeia, o saldo é deficitário em 817 milhões.

A tendência de queda nos termos de troca iniciada em dezembro de 2023 continuou, e comparando esse mês com abril de 2024, a queda foi de 4,1%. A queda está associada a uma variação negativa de 5,9% nos preços exportados e aumento de 1,0% nos preços das importações. Em suma, é a queda nos preços de exportações que está puxando os termos de troca para a trajetória descendente até o momento (Gráfico 8).

Baixe o ARQUIVO COMPLETO