AGRISHOW
construcao-inovadora-2024-rede-brasil-inovacao-esg-ia-cbic-sinduscon-acomac-materiais-industria-feira-construsul-bc-balneario-camboriu-2
innovation-trends-2024-ecosystem-corporates-startups-hubs-government-investors-brazil-germany-hannover-messe-energy-carbon-aldo-rosa-ceo-7

A COP na Amazônia como ela é

A COP na Amazônia como ela é

A COP na Amazônia como ela é

Em artigo no Poder 360, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Rondônia e do Conselho Temático de Meio Ambiente e Sustentabilidade da CNI, Marcelo Thomé, fala sobre a COP30

No calor dos últimos dias do verão mais quente da história, surge a fritura da COP na Amazônia. A ideia estapafúrdia é esquartejar o evento, deixar só uma parte em Belém do Pará e distribuir importantes encontros, fóruns e atividades da conferência entre as cidades do Rio de Janeiro e São Paulo.

O Brasil bateu forte na COP28, em Dubai. O presidente Lula liderou pessoalmente um posicionamento que, dentre as nações, comunicou a união brasileira – envolvendo governo, setor produtivo e sociedade civil – exigindo reconhecimento do potencial ambiental do nosso país e protagonismo na agenda global para o clima e a descarbonização da economia.

Selou essa mensagem a proposta de realizar a COP30 na Amazônia brasileira. Isso é fato, é sério e seria um vexame desconsiderá-lo agora.

A COP na Amazônia tem uma simbologia poderosa e é uma oportunidade que não se deve esquartejar. Ela cria o ambiente ideal para tecer compromissos pela conservação das florestas.

Pode dar um novo impulso para o mercado de carbono, revigorar a agenda ESG, apontar o financiamento da bioeconomia e do desenvolvimento sustentável.

Alguém dirá que tudo isso pode ser discutido em qualquer lugar, inclusive em São Paulo e Rio de Janeiro. Verdade. Tanto que também trabalho duro para conectar a iniciativa empresarial amazônica com os diversos mercados do Brasil e do mundo, mas aqui falamos de um momento diferente e único.

Só a COP em Belém pode fazer a elite mais influente do planeta botar os pés na Amazônia. Daí, podem colocar também seus corações e seus investimentos. São chefes de Estados e governos, a filantropia, ativistas de todo o mundo e agentes de todos os mercados.

Deixem que venham suar no calor úmido e ver um pouco da vida no limiar da cidade com a floresta habitada. Só isso pode lhes oferecer uma breve, mas forte, amostra da diversidade e das desigualdades presentes no duro cotidiano dos 30 milhões de brasileiros que vivem na Amazônia.

Até novembro de 2025, dá sim para realizar soluções de infraestrutura para o sucesso da COP. Se o maior gargalo está na rede hoteleira, isso não é novidade. Belém dispõe de mais de 12.000 vagas de hotel e a demanda pode chegar a 80.000 vagas. Claro que não cabe construir tantos hotéis, pois seria uma futura rede de elefantes brancos.

Cabem alternativas como hospedagens em navios de cruzeiro e outras embarcações ancoradas ao largo de Belém, e incentivar a oferta de espaços residenciais no modelo de Airbnb.

Mas tão urgente quanto resolver a infraestrutura é preparar o Brasil para mostrar o que a Amazônia tem, como a floresta pode ser base de uma bioeconomia escalada e frente crucial de contenção da crise climática. O esquartejamento da COP é o contrário disso.

É verdade que o governo federal reagiu rápido e rechaçou a ameaça, até anunciou a criação de uma Secretaria Extraordinária junto à Casa Civil da Presidência da República para coordenar ações de preparação da COP30 em Belém.

O governo do Pará também se manifestou de pronto. Tudo bem, mas é bom o setor produtivo, a academia e a sociedade civil fortalecerem a defesa da COP na Amazônia como ela é, porque quem sabe dos males das queimadas desconfia que onde tem fumaça, tem fogo.

*Marcelo Thomé da Silva de Almeida é empresário da construção civil. É presidente da Federação das Indústrias do Estado de Rondônia (FIERO), do Conselho Temático de Meio Ambiente e Sustentabilidade da Confederação Nacional da Indústria e CEO do Instituto Amazônia+21.

O artigo foi publicado no jornal Poder 360 no dia 27/03/2024.