Brasil e Suécia vão trabalhar em agenda para promover a economia verde, diz presidente da CNI

Brasil e Suécia vão trabalhar em agenda para promover a economia verde, diz presidente da CNI

Transição energética, transformação ecológica, digitalização, indústria 4.0 e soluções de financiamento sustentável. Brasil e Suécia têm uma agenda em comum robusta e promissora para desenvolver.

“Temos de discutir e identificar novas iniciativas de cooperação bilateral e estratégias para aumentar a produtividade industrial diante do avanço da digitalização e da descarbonização da produção. Vamos contribuir para a construção de um futuro mais produtivo e sustentável para os nossos países”, disse o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI) Ricardo Alban

Ele abriu o 4º Fórum Empresarial Brasil-Suécia, realizado pela CNI em parceria com a Business Sweden. O encontro foi nessa quarta-feira (22), na fábrica da Scania América Latina, em São Bernardo do Campo (SP). Mais de 20 empresários suecos participam do evento, entre eles, CEOs e representantes de grandes indústrias como Saab, Ericsson, SKF, Scania, Astrazeneca, Electrolux, Atlas Copco, Epiroc, Hoganas, Volvo Group, Stora Enso, Autoliv, SEB e AFRY. 

Alban afirmou é preciso propor ações que contribuam para o desenvolvimento da economia de baixo carbono e a integração entre as indústrias dos países. 

“Podemos unir esforços e trabalhar em uma agenda comum para promover a economia verde, área em que ambas nações têm enorme potencial”, comentou. Pela primeira vez, desde 2015, ano de fundação do fórum, empresários dos dois países vão elaborar um documento de posição conjunta sobre temas prioritários para a melhoria do ambiente de negócios entre os países.

Presente na abertura do encontro, o presidente da FAM AB, Hakan Buskhe, disse que os países somam décadas de cooperação e articulação de relações comerciais e destacou o crescimento da agenda bilateral nos últimos anos.

“Atualmente, temos uma grande oportunidade de estreitar os laços com investimentos e com cooperação nas áreas de digitalização, desenvolvimento sustentável, digitalização, pesquisa, inovação, inteligência artificial e segurança climática”, afirmou Buskhe. 

Fluxo comercial entre Brasil e Suécia ultrapassou US$ 3 bi em 2022 

A Suécia é um dos 20 principais investidores diretos no Brasil. Entre 2010 e 2022, empresas suecas anunciaram investimentos de US$ 1,683 bilhão no país. Além disso, o fluxo comercial em 2022 ultrapassou quase US$ 3 bilhões. 

De acordo com o Business Sweden, atualmente, há 150 empresas suecas instaladas no Brasil, com 45 mil empregos diretos. E um estudo recente da Business Climate Survey 2023 mostrou que, das 50 maiores empresas suecas no Brasil, 63% planejam aumentar os investimentos no país no próximo ano

Expectativa é alta para acordo Mercosul – União Europeia 

Enquanto líderes políticos europeus e sul-americanos tentam avançar para finalizar o acordo comercial entre o Mercosul – Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai e Venezuela – e a União Europeia, a expectativa para que o tratado impulsione os negócios entre os blocos é alta entre empresários.

O presidente da FAM AB, Hakan Buskhe, destacou os esforços que o Brasil e a Suécia vêm fazendo para aprovar o Acordo entre Mercosul e União Europeia. “O Brasil já é o terceiro país mais importante para os investimentos suecos. Penso que o acordo sendo assinado teremos ainda mais oportunidades para desenvolver o comércio entre os dois países e a crescente transferência de tecnologia”, completou Buskhe.  

Para o presidente da CNI, esta é uma chance que não pode ser perdida. “O acordo Mercosul-União Europeia é uma oportunidade ímpar para criarmos um ciclo virtuoso de ampliação do comércio, dos investimentos e do emprego nos dois blocos econômicos”, afirmou Alban. 

70% das empresas brasileiras ouvidas querem fazer negócios com a Suécia

Uma consulta empresarial conduzida pela CNI antes do evento, para auxiliar no levantamento das prioridades do setor, mostrou que 70% das empresas brasileiras respondentes disseram não ter relação comercial com a Suécia, mas têm interesse em desenvolver negócios com o país escandinavo. Das empresas respondentes, 41% são empresas de médio porte, 37% de pequeno porte e 22% de grande porte. 

O levantamento foi realizado em função da necessidade de fortalecer os laços econômicos com a Suécia e para identificar as prioridades para melhorar o ambiente de negócios bilateral. Assim, as empresas brasileiras que desejam se relacionar comercialmente com a Suécia opinaram sobre o que devem ser as prioridades nessa relação: a promoção comercial (80%) e a facilitação da logística do comércio exterior (57%).

Além dos destaques, quase metade dessas empresas indicou a importância dos acordos comerciais, tributários, previdenciários e de investimentos (49%), assim como o financiamento e as garantias às exportações (49%). E menos de um terço desse grupo de respondentes apontou a necessidade de melhorias em relação às barreiras externas que afetam as exportações e os investimentos (31%).


https://noticias.portaldaindustria.com.br